top of page

Análise Poética: "Vendaval", por Fernando Pessoa


O poema 'Vendaval' de Fernando Pessoa é uma obra-prima da poesia moderna que mergulha na psicologia do poeta, explorando temas como solidão, tristeza, desespero e a busca por alívio da angústia existencial. Por meio de uma linguagem poética rica e metáforas intensas, Pessoa personifica o vento do norte e a natureza como elementos que refletem e amplificam a profunda melancolia de sua própria alma. Esta análise comentará as nuances do poema, desvelando suas camadas de significado e a intensidade das emoções que permeiam cada estrofe. Estrofe 1: "Ó vento do norte, tão fundo e tão frio, Não achas, soprando por tanta solidão, Deserto, penhasco, coval mais vazio Que o meu coração!" O poema "Vendaval" começa com o poeta personificando o vento do norte e comparando sua própria solidão e vazio interior ao deserto e aos penhascos. A frieza do vento é simbólica da frieza emocional do poeta. Estrofe 2: "Indômita praia, que a raiva do oceano Faz louco lugar, caverna sem fim, Não são tão deixados do alegre e do humano Como a alma que há em mim!" Nesta estrofe, o poeta continua a comparar sua alma à natureza indomada e à selvageria da praia, sugerindo que sua própria alma é mais desprovida de alegria e humanidade do que essas paisagens ásperas. Estrofe 3: "Mas dura planície, praia atra em fereza, Só têm a tristeza que a gente lhes vê E nisto que em mim é vácuo e tristeza É o visto o que vê." Aqui, o poeta reflete sobre como sua tristeza é invisível aos outros, ao passo que a natureza, apesar de parecer triste, só reflete a tristeza que as pessoas projetam sobre ela. A solidão e o vazio dentro dele são mais profundos do que qualquer aparência exterior. Estrofe 4: "Ah, mágoa de ter consciência da vida! Tu, vento do norte, teimoso, iracundo, Que rasgas os robles — teu pulso divida Minh'alma do mundo!" Nesta estrofe, o poeta expressa sua angústia por ter consciência da vida e por sentir-se separado do mundo. Ele deseja que o vento do norte possa dividir sua alma do mundo, aliviando-o da carga da existência consciente. Estrofe 5: "Ah, se, como levas as folhas e a areia, A alma que tenho pudesses levar Fosse pr'onde fosse, pra longe da ideia De eu ter que pensar!" O poeta anseia pela libertação de sua alma, desejando que o vento do norte a leve para longe de seus pensamentos e preocupações, permitindo-lhe escapar da constante reflexão. Estrofe 6: "Abismo da noite, da chuva, do vento, Mar torvo do caos que parece volver - Por que é que não entras no meu pensamento Para ele morrer?" Nesta estrofe, Pessoa personifica elementos naturais como o abismo da noite e o mar tempestuoso como forças que ele deseja que entrem em seu pensamento para destruir seus pensamentos e preocupações, trazendo o alívio da morte da mente. Estrofe 7: "Horror de ser sempre com vida a consciência! Horror de sentir a alma sempre a pensar! Arranca-me, é vento; do chão da existência, De ser um lugar!" O poeta expressa seu horror por estar sempre consciente e pensante. Ele suplica ao vento do norte para arrancá-lo do chão da existência, para que ele não seja mais um lugar onde a vida e a consciência se manifestem. Estrofe 8: "E, pela alta noite que fazes mais escura, Pelo caos furioso que crias no mundo, Dissolve em areia esta minha amargura, Meu tédio profundo." A última estrofe mostra o poeta desejando que o vento do norte dissolva sua amargura e tédio na escuridão da noite e no caos do mundo, como se ele buscasse o esquecimento e a paz na obscuridade. O poema "Vendaval" de Fernando Pessoa é uma profunda exploração da solidão, da melancolia e da busca por alívio da angústia existencial, utilizando imagens vívidas e metáforas poderosas para transmitir a intensidade das emoções do poeta.


Mafra Editions; Jamila Mafra; Fernando Pessoa

42 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page