top of page

Fantásticas Fábulas por Monteiro Lobato. Edição Especial Ilustrada

Baixe a obra completa no Google Play Livros!

Sinopse

No livro "Fantásticas Fábulas", criado pelo renomado autor brasileiro Monteiro Lobato, os leitores são convidados a embarcar em uma jornada por fábulas repletas de imaginação, sabedoria e lições atemporais. Na edição especial da Mafra Editions, esta coleção de contos ressurge com todo o seu encanto intacto, convidando os leitores a explorar os mundos fantásticos e os personagens singulares criados por Lobato. Através da narrativa cativante e da riqueza das histórias, somos levados a refletir sobre valores e virtudes humanas de forma lúdica e envolvente.

A Mafra Editions nos brinda com uma edição cuidadosamente elaborada de "Fantásticas Fábulas", enriquecendo a experiência de leitura com detalhes que realçam a magia e a criatividade presentes nas fábulas de Monteiro Lobato. Nas suas páginas artisticamente trabalhadas, os leitores encontram contos que mesclam elementos da cultura popular brasileira com a imaginação única do autor, ensinando lições enquanto nos levam a mundos encantados. A habilidade literária de Monteiro Lobato é realçada por esta edição, transformando-a em um tesouro literário que continua a cativar e a inspirar, enquanto explora temas de ética, respeito e a importância de aprender através de histórias.

Nesta edição especial da Mafra Editions, "Fantásticas Fábulas" ressurge como uma fonte de encantamento e aprendizado. Ao adentrarem nas histórias que misturam o imaginário e o real, os leitores são convidados a absorver as lições e reflexões presentes em cada conto. Através da narrativa eloquente e envolvente de Lobato, a obra permanece tão encantadora quanto sempre, convidando-nos a mergulhar na sabedoria contida nas fábulas e a encontrar significado nas suas mensagens atemporais.

 

A CIGARRA E A FORMIGA

  1. – A formiga boa

Houve uma jovem cigarra que tinha o costume de chiar ao pé de um formigueiro. Só parava quando cansadinha; e seu divertimento então era observar as formigas na eterna faina de abastecer as tulhas.

Mas o bom tempo afinal passou e vieram as chuvas. Os animais todos, arrepiados, passavam o dia cochilando nas tocas. A pobre cigarra, sem abrigo em seu galhinho seco e metida em grandes apuros, deliberou socorrer-se de alguém. Manquitolando, com uma asa a arrastar, lá se dirigiu para o formigueiro. Bateu — tique, tique, tique...

Aparece uma formiga friorenta, embrulhada num xalinho de paina.

 

- Que quer? — perguntou, examinando a triste mendiga suja de lama e a tossir.

- Venho em busca de agasalho. O mau tempo não cessa e eu... A formiga olhou-a de alto a baixo.

- E que fez durante o bom tempo, que não construiu sua casa?

A pobre cigarra, toda tremendo, respondeu depois de um acesso

de tosse:

- Eu cantava, bem sabe...

- Ah!... — exclamou a formiga recordando-se. — Era você então quem cantava nessa árvore enquanto nós labutávamos para encher as tulhas?

- Isso mesmo, era eu...

 - Pois entre, amiguinha! Nunca poderemos esquecer as boas horas que sua cantoria nos proporcionou. Aquele chiado nos distraía e aliviava o trabalho. Dizíamos sempre: que felicidade ter como vizinha tão gentil cantora! Entre, amiga, que aqui terá cama e mesa durante todo o mau tempo.

A cigarra entrou, sarou da tosse e voltou a ser a alegre cantora dos dias de sol.

 

II – A formiga má

Já houve, entretanto, uma formiga má que não soube compreender a cigarra e com dureza a repeliu de sua porta.

Foi isso na Europa, em pleno inverno, quando a neve recobria o mundo com o seu cruel manto de gelo.

A cigarra, como de costume, havia cantado sem parar o estio inteiro, e o inverno veio encontrá-la desprovida de tudo, sem casa onde se abrigar, nem folhinhas que comesse.

Desesperada, bateu à porta da formiga e implorou — emprestado, notem! — uns miseráveis restos de comida. Pagaria com juros altos aquela comida de empréstimo, logo que o tempo o permitisse.

Mas a formiga era uma usurária sem entranhas. Além disso, invejosa. Como não soubesse cantar, tinha ódio à cigarra por vê-la querida de todos os seres.

- Que fazia você durante o bom tempo?

- Eu... eu cantava!

- Cantava? Pois dance agora, vagabunda! — e fechou-lhe a por- ta no nariz.

Resultado: a cigarra ali morreu entanguidinha; e quando voltou a primavera o mundo apresentava

um aspecto mais triste. É que faltava na música do mundo o som estridente daquela cigarra morta por causa da avareza da formiga. Mas se a usurária morresse, quem daria pela falta dela?

Os artistas — poetas, pintores, músicos — são as cigarras da humanidade.

 

OS DOIS BURRINHOS

Muito lampeiros, dois burrinhos de tropa seguiam trotando pela estrada além. O da frente conduzia bruacas de ouro em pó; e o de trás, simples sacos de farelo. Embora burros da mesma igualha, não queria o primeiro que o segundo lhe caminhasse ao lado.

- Alto lá! — dizia ele. — Não se emparelhe comigo, que quem carrega ouro não é do mesmo naipe de quem conduz farelo. Guar- de cinco passos de distância e caminhe respeitoso como se fosse um pajem.

O burrinho do farelo submetia-se e lá trotava na traseira, de orelhas murchas, roendo-se de inveja do fidalgo. De repente...

- Oah! oah!…

São ladrões da montanha que surgem de trás de um toco e agarram os burrinhos pelos cabrestos.

Examinam primeiramente a carga do burro humilde:

- Farelo! — exclamam desapontados. — O demo o leve! Vejamos se há coisa de mais valor no da frente.

- Ouro, ouro! — gritam, arregalando os olhos. E atiram-se ao saque.

Mas o burrinho resiste. Desfere coices e dispara pelo campo afora. Os ladrões correm-lhe atrás, cercam-no e dão-lhe em cima, de pau e pedra. Afinal saqueiam-no.

Terminada a festa, o burrinho do ouro, mais morto que vivo e tão surrado que nem se suster em pé podia, reclama o auxílio do outro que muito fresco da vida tosava o capim sossegadamente.

- Socorro, amigo! Venha acudir-me, que estou descadeirado... O burrinho do farelo respondeu zombeteiramente:

- Mas poderei por acaso aproximar-me de Vossa Excelência?

- Como não? Minha fidalguia estava toda dentro da bruaca e lá se foi nas mãos daqueles patifes.

Sem as bruacas de ouro no lombo, sou uma pobre besta igual a você...

- Bem sei. Você é como certos grandes homens do mundo que só valem pelo cargo que ocupam.

No fundo, simples bestas de carga, eu, tu, eles...

E ajudou-o a regressar para casa, decorando, para uso próprio, a lição que ardia no lombo do vaidoso.

 

O MACACO E O GATO

 

 

Simão, o macaco, e Bichano, o gato, moram juntos na mesma casa. E pintam o sete. Um furta coisas, remexe gavetas, esconde tesou- rinhas, atormenta o papagaio; outro arranha os tapetes, esfiapa as

almofadas e bebe o leite das crianças.

Mas, apesar de amigos e sócios, o macaco sabe agir com tal maromba que é quem sai ganhando sempre.

Foi assim no caso das castanhas.

A cozinheira pusera a assar nas brasas umas castanhas e fora à horta colher temperos. Vendo a cozinha vazia, os dois malandros se aproximaram. Disse o macaco:

- Amigo Bichano, você, que tem uma pata jeitosa, tire as castanhas do fogo.

O gato não se fez insistir e com muita arte começou a tirar as castanhas.

- Pronto, uma...

- Agora aquela de lá... Isso. Agora aquela gorducha... Isso. E mais a da esquerda, que estalou...

O gato as tirava, mas quem as comia, gulosamente, piscando o olho, era o macaco...

De repente, eis que surge a cozinheira, furiosa, de vara na mão.

- Espere aí, diabada!...

- Os dois gatunos sumiram-se aos pinotes.

- Boa peça, hein? — disse o macaco lá longe. O gato suspirou:

- Para você, que comeu as castanhas. Para mim foi péssima, pois arrisquei o pelo e fiquei em jejum, sem saber que gosto tem uma castanha assada...

O bom-bocado não é para quem o faz, é para quem o come.

 

 

 A MOSCA E O AUTOMÓVEL 

Um automóvel havia encalhado em certo ponto de mau caminho, num atoleiro.

- E agora?

-Agora é procurar bois na vizinhança e arrancá-lo à força viva. Assim se fez. Arranjam os bois — uma junta.

Atrelam-na ao carro e principia a luta.

- Vamos, Malhado! Puxa, Cuitelo!    - Os bois estiram os músculos num potente esforço, espicaçados pelo aguilhão.

Mas não basta. É preciso que todos, serviçais e passageiros, metam ombros à tarefa e, empurrando de cá, alçapremando de lá, ajudem o arranco dos bovinos. A mosca aparece. Assunta o caso e resolve meter o bedelho onde não é chamada. E toda aflita começa — voa daqui, pousa ali, zumbe à orelha de um, pica no focinho de outro, atormenta os bois, atrapalha os homens — a multiplicar-se de tal maneira que dá a impressão de ser não uma só, mas um enxame inteiro de moscas infernais.

O carro, afinal, saiu do atoleiro.

- Uf! Que trabalhão me deu!... — disse a mosquinha enxugando o suor da testa.


 


Comments


bottom of page