top of page

No Jardim por Casimiro de Abreu


CENA DOMÉSTICA. V. Hugo. Ela estava sentada em meus joelhos E brincava comigo – o anjo louro, E passando as mãozinhas no meu rosto Sacudia rindo os seus cabelos d’ouro. E eu, fitando-a, abençoava a vida! Feliz sorvia nesse olhar suave Todo o perfume dessa flor da infância, Ouvia alegre o gazear dessa ave! Depois, a borboleta da campina Toda azul – como os olhos grandes dela – A doudejar gentil passou bem junto E beijou-lhe da face a rosa bela. – Oh! como é linda! disse o louro anjinho No doce acento da virgínea fala – Mamãe me ralha se eu ficar cansada Mas – dizia a correr – hei de apanhá-la! – Eu segui-a chamando-a, e ela rindo Mais corria gentil por entre as flores, E a – flor dos ares – abaixando o vôo Mostrava as asas de brilhantes cores. Iam, vinham, à roda das acácias, Brincavam no rosal, nas violetas, E eu de longe dizia: – Que doidinhas! Meu Deus! meu Deus! são duas borboletas!… Dezembro – 1858.

Casimiro de Abreu

Comments


bottom of page